Textos

#14 Beatriz, por J. Vasco

J. Vasco nasceu e cresceu na periferia de São Paulo, em 1990, no bairro da Sapopemba. Estudou teoria e psicologia do cinema didaticamente por muitos anos até se ingressar na literatura, com textos ainda não publicados. Ingressa em 2020 no curso de Tradução na PUC-SP, enquanto trabalha com montagens de exposições e representação de artistas plásticos.

O esvaziamento do futuro e o perdão do gerundismo, por Monica Nassar

MINIBIO: Monica Nassar graduou em Arquitetura e Urbanismo no Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), em 2012. Cursou Cenografia na Escola São Paulo, onde produziu em coletivo o projeto ViroRio, que foi exposto na Quadrienal de Praga de Cenografia e Performance, em 2015, mesmo ano em que participou da equipe de pesquisa da exposição do multiartista Tadeu Jungle na Sala do Humano do Museu do Amanhã. Usou suas habilidades multidisciplinares para compor equipes nas mesas independentes da Mesa e Cadeira, trabalhando com os ciborgues Neil Harbisson e Moon Ribas na construção do WeTooth, o primeiro aparelho de comunicação intra-dental do mundo (contemplado no Guinness Book of Records 2020), em 2016 e com o fundador do Kickstarter, Perry Chen, na publicação do livro “A bridge to a bad star” sobre o desastre de da base espacial de Alcântara, no Maranhão. No ano de 2017 completa a sua pós graduação em Cenografia e Figurino, na Universidade Belas Artes de São Paulo, onde produz o aplicativo Adelaide, para mapeamentos de roteiros e gestão de projetos criativos. Retorna para Brasília, no ano de 2018, para participar efetivamente da sociedade no Espaço f/508 de Fotografia, onde atua na gestão de projetos criativos. Em 2019, participa pela segunda vez da Quadrienal de Praga de Cenografia e Performance, na temática “novas técnicas dentro da cenografia”.

#12 A bom entendedor, por Thaís Campolina

Thaís Campolina tem 30 anos, uma graduação em Direito, muitas dúvidas e uma vontade imensa de criar e aprender, por isso se define também como mediadora do Leia Mulheres Divinópolis, blogueira feminista, resenhista e também como escritora, apesar de ainda não ter tido um livro só seu publicado. 

Além de escrever na internet em sua newsletter e seus perfis, também contribui para as publicações Revista Subjetiva, Fale Com Elas e Mulheres Que Escrevem no Medium, já saiu em coletâneas físicas como a Revista Chama, a zine Goji Berry, o primeiro volume do Contos Brasil e o livreto Jurema e, vez ou outra, alguns de seus textos são republicados em alguns sites, como o Delirium Nerd e o Salto Quebrado. 

Fora isso, vale dizer que uma das histórias de Thaís recebeu menção honrosa no 1º concurso de contos promovido pelo Leia Mulheres junto ao Sweek em 2017 e que ela teve dois contos selecionados como finalistas de um concurso dessa mesma plataforma em 2018. 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/thacampolina/

https://www.facebook.com/petitcampolina 

https://www.facebook.com/thaisescreve/ 

https://twitter.com/thais_inha

11# A CIGANA DO ATLÂNTICO, por Douglas Rafael

Minibio

Douglas Rafael se entende como escritor, poeta, amante das artes e da filosofia. Também é advogado, bacharel em Direito pela UDF Brasília, onde foi bolsista pelo ProUni. Retirante do interior de São Paulo, vive há 10 anos nessa capital estranha, em que não se habita.

Em 2006 venceu em 1º lugar o II Concurso de Literatura da Casa do Escritor da Região de Sorocaba/SP. No mesmo ano ficou em 5º lugar no Concurso Rocha Moutonnee de Poesia de Salto/SP. Em 2007 conquistou o 3º lugar no Concurso Literário Dr. Ermelindo Maffei, promovido pela Academia Ituana de Letras e Faculdade de Direito de Itu/SP. Escreve resenhas e poesias em sua página no instagram, @literadoug.

10# Onofre, por Caio Siqueira

Minibio


Natural de Brasília, Caio Siqueira vive atualmente em Uberlândia, Minas Gerais. Funcionário público federal e estudante de Letras, é editor do Folhetim Literário: Newsletter e escreve ocasionalmente em seu espaço no Medium. Sonha com um mundo onde muitos outros sejam possíveis.


Medium: https://medium.com/@caiovsiqueira
Folhetim Literário: Newsletter: https://tinyletter.com/caiosiqueira/archive
Instagram: @caio.sq

#9 (Com)partilhar – as tramas do nós e do eu, por Aline Ludmila

Minibio

Graduada em História pela Universidade Federal de Uberlândia (2010) e mestre na linha Política e Imaginário pela mesma instituição (2013). Atualmente ocupa o cargo de Analista Técnico de Políticas Sociais. Experiência nas áreas de Teoria Política Contemporânea, Memória e Esquecimento, Teoria da História, Filosofia Política e Instituições.

Escritos no medium: https://medium.com/@ludmilalinelud

#8 Boletim Andrômeda Redshift x, por Naomi Cary

Minibio:

Naomi é formada em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília. Nascida em Santos (SP) em uma família de comunicadores, vive no Distrito Federal há tempo demais. Quase escritora e aspirante a cineasta, mãe, preta e bissexual, participou de algumas coletâneas literárias, abordando temas raciais, feministas, indenitários, misérias e liberdades.

#7 Cubóide, por Camilla Loreta

Camilla Loreta é formada em Audiovisual e História da Arte, em São Paulo. Pesquisa a escrita o corpo e a imagem através das artes gráficas e audiovisuais. Seu trabalho foi publicado pela Editora Caixa e participou de feiras com a Plana (SP e RJ) e Tijuana (SP e RJ) em livros e zines individuais e coletivos. Dirigiu dois curtas-metragens,Clara e O Silêncio das Pedras, sendo esse último selecionado para a Semana Paulista de Curta-metragem. Participou de diversas residências internacionais e nacionais, entre elas: Kaaysa em Boiçucanga (Brasil) com o estudo Como se salvar de afogamentos; Encosta Residência na Ilha do Mel (Brasil), onde desenvolveu projetos de impacto local, dialogando com as comunidades e histórias da região; a residência solo FUGA (Nova Iorque) que rendeu seleção no Festival do Filme Livre, exibido em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasilia em 2019; The Artist meeting em Marianowo (Polônia) onde iniciou a escrita do livro Sândalo Vermelho e os Gatunos Olhos Dela, será romance de estreia como escritora, no momento em fase de aguardo para o mundo se assentar. 

#5 Pássaros, por Nina Ferreira

Textos Quarentena Oribê NINA 1Textos Quarentena Oribê Nina 2

Nina Ferreira

Compositora e cantora, poeta, artista visual e livre pesquisadora de imagens, nasceu em 1990 no Distrito Federal. Tem textos e trabalhos de artes visuais publicados em revistas e coletâneas literárias e em 2018 publicou o livro Pérola marrom, pela padê editorial. É candomblecista e convergente de quilombagens LGBT+.  Hoje ministra oficinas de escrita, palestras e workshops sobre questões que implicam raça, gênero, sexualidade e imagem. Faz parte do Coletivo Fissura e do Coletivo de Escritorxs LGBTs do DF – Celgbt/DF, confabulando para a equidade.

//Instagram: @ninaferreira.mus 

// Facebook: ninaperolamarrom 

// Youtube:bit.ly/ninaferreiramusica